quinta-feira, 13 de maio de 2010

Reflexões sobre O REINO



Seguem dois textos do prof. Valdinei Gandra, nosso convidado especial no primeiro capítulo da série O REINO, do podcast do www.formulados.com.br , se quiser ouvir, clique aqui!

Parábola do Bom Samaritano: religião e transgressão

A parábola do bom Samaritano é um daqueles trechos bíblicos que, devido sua extraordinária capacidade profética, ultrapassou a esfera religiosa para se tornar um patrimônio literário da humanidade.

Sua importância está na capacidade de superar dois mil anos de abismo cultural com uma mensagem que se enquadra perfeitamente em nossa realidade: a indiferença de alguns frente à solidariedade de um que, sem nenhum motivo aparente, presta assistência a um outro que fora espancado por alguns outros.

A mensagem torna-se chocante quando descobrimos que o espancado e os indiferentes participavam da mesma mesa religiosa – ideológica. Odiavam o que o Samaritano representava. Nem ao menos o cumprimentariam!

A dimensão religiosidade está presente na parábola. Todos os envolvidos na trama são monoteístas e defendem superioridade no relacionamento histórico com Deus.

Qual a diferença então? Transgressão, digo-vos novamente: transgressão!

A religião se comporta como um pai severo, que na tentativa de proteger seu filho o enquadra num confinamento “educacional” fundamentado no principio do “não toque”, “não ouse”, “não invente”, “não veja”, “não prove”, etc.

Seja indiferente, sugere-se nas entrelinhas. Toque, mas não “toque”. Ouse, mas não “ouse”. Invente, mas não “invente”. Veja, mas não “olhe”. Prove, mas não “prove”.

Se alguém desejar realmente romper com estas contradições invisíveis que nos aprisionam, outra vez vos digo: transgridam!

Transgressão neste contexto seria a implosão dos muros religiosos perversos, historicamente construídos para nossa “segurança”, que nos impedem de potencializar uma fé sensível, inovadora e criativa.

O samaritano transgressor viu e num gesto de ousadia aproximou-se para olhar e “olhando” sentiu a necessidade de tocar, “tocando” percebeu a gravidade dos ferimentos, “percebendo”, ousou na prestação do socorro: levantou-o e colocando sobre sua cavalgadura o conduziu para uma hospedaria, arcando com todos os custos do tratamento.

Em silêncio seguiu seu caminho. Se esta estória fosse verdadeira e não uma metáfora, certamente aquele homem teria provado a mais extraordinária experiência do ser – humano: sinalizar a presença do Reino de Deus.

I O que é o Reino de Deus?

Quando refletimos sobre o Reino de Deus é necessário destacar que o conceito não diz respeito à questão de soberania territorial de Deus, pois as escrituras do primeiro e segundo testamentos pressupõem que o domínio de Deus é cósmico. Sendo assim, a expressão deve ser compreendida como o Senhorio de Deus (vontade e intenções de Deus) internalizado nas pessoas que se renderam a ele por intermédio de Cristo na Cruz do calvário e que a partir desta rendição buscam imitar a Cristo: e isto é revolucionário!

“Se alguém quiser acompanhar-me, negue-se a si mesmo, tome diariamente sua cruz e siga-me”. Lc 9: 23/ Mt 16: 24/ Mc 8: 34

II Parábolas: as metáforas do Reino de Deus
A semente semeada pelo agricultor é a “Palavra do Reino”. Mt 13:19.
“O Reino dos céus é como um homem que semeou boa semente em seu campo”. Mt 13: 24-30
“O Reino dos céus é como um grão de mostarda que um homem plantou em seu campo”. Mt 13: 31 – 32
“E contou-lhes ainda outra parábola: “O Reino dos céus é como o fermento que uma mulher tomou e misturou com uma grande quantidade de farinha, e toda a massa ficou fermentada”“. Mt 13: 33.
“O Reino dos céus é como um tesouro escondido num campo. Certo homem, tendo-o encontrado, escondeu-o de novo e, então, cheio de alegria, foi, vendeu tudo o que tinha e comprou aquele campo”. Mt 13:44.
“O Reino dos céus também é como um negociante que procura pérolas preciosas. Encontrando uma pérola de grande valor, foi, vendeu tudo o que tinha e a comprou”. Mt 13: 45,46
“O Reino dos céus é ainda como uma rede que é lançada ao mar e apanha toda sorte de peixes”.

III Quais são as condições necessárias para fazer parte do Reino de Deus

Em conversa com Nicodemos Jesus disse:
“Ninguém pode ver o Reino de Deus, se não nascer de novo”. Jo 3: 3.
No sermão da montanha: “Bem-aventurados os pobres em espírito, pois deles é o Reino dos céus”. Mt 3:3.
Quando tentaram impedir que as crianças se aproximassem de Jesus, Ele afirma: “Quem não receber o Reino de Deus como uma criança, nunca entrará nele”.
IV O Reino de Deus e a Igreja

Historicamente houve uma tentativa de entender a igreja como sendo o Reino de Deus e foi um desastre. Á igreja cabe a prerrogativa de representar o Reino de Deus. Evidentemente que esta representatividade está condicionada a sua rendição à vontade plena de Deus. Sinalizar o Reino de Deus deve ser a missão de uma comunidade dita cristã. Portando a igreja não é o reino e os seus obreiros não são sob nenhuma hipótese os nobres deste reino. Ao contrario a Igreja é agência do Reino e seus obreiros são os voluntários (servos) deste Reino na construção de um mundo mais justo.

V Os sinais do Reino de Deus

Em tese a comunidade é formada por pessoas que se renderam ao Senhorio de Deus em Cristo e que optaram em perseguir o objetivo de serem parecidas com Ele. Se isto é um fato, certamente alguns sinais evidenciarão esta presença histórica do Reino de Deus no mundo.
1. “Com isso todos saberão que vocês são meus discípulos, se vocês se amarem uns aos outros”. Jo 13:35
2. Os que são sal da terra e luz do mundo (ação invisível, mas perceptível).
3. Os que têm fome e sede de Justiça
4. Os que praticam a misericórdia
5. Os mansos
6. Os que são perseguidos por causa da justiça
7. Mas o fruto do Espírito é amor, alegria, paz, paciência, amabilidade, bondade, fidelidade, mansidão e domínio próprio. Contra essas coisas não há lei. Gl 5: 22-23
8. Atos 2: 42 -47/ Atos 4: 32 – 37
————

2 comentários:

Willian Rochadel disse...

Muito Bom! Intrigante!

Alexander De Bona Stahlhoefer disse...

uma definição de reino de Deus define todo um edificio teológico pessoal/eclesial. Nunca é demais refletir sobre o que JEsus quis dizer com Reino de Deus! Abra~co

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...