quarta-feira, 19 de janeiro de 2011

Deus submerso, soterrado e solidário.

Mesmo não florescendo a figueira, e não havendo uvas nas videiras, mesmo falhando a safra de azeitonas, não havendo produção de alimento nas lavouras, nem ovelhas no curral nem bois nos estábulos, ainda assim eu exultarei no Senhor e me alegrarei no Deus da minha salvação.

Habacuque 3.17


O texto abaixo escrevi quando as fortes chuvas castigaram Santa Catarina. Penso que ele cabe agora, devido ao que temos visto nos noticiários sobre a região serrana do Rio de Janeiro. As pessoas tem me perguntado onde está Deus, quem é o culpado. Abaixo, eu rascunho uma resposta.

O Brasil tem acompanhado o dilema de famílias que perderam tudo, de famílias que não existem mais, vítimas das fortes chuvas no Sul do país no final de 2008. O Estado de Santa Catarina ficou debaixo da água. A cidade de Itajaí, por exemplo, ficou com mais de 90% da cidade alagada. Muita água, muita sujeira, muitos danos, muitas perdas, muita dor e muito amor. Alguns tem se perguntado: Deus onde estás?

Os “amigos” de Jó, defensores da teologia da retribuição, dizem que Deus penalizou o Estado por causa das festas de outubro, afinal, Ele já usou catástrofes naturais para penalizar antes. Ou seja, Deus está sentado no trono, exercendo seu papel de juiz, condenando os pecadores, condenando o Estado por tamanha promiscuidade.

Não creio nisso, e o livro de Jó já deixa claro que essa teologia toma lá da cá, é caduca, mesmo porque, muitas pessoas tementes a Deus (assim como Jó) sofreram com a tragédia. Diante desse cenário arrasador, eu creio que Deus está submerso com os alagados, encoberto com os soterrados e atuante com os solidários.

Creio que o ecossistema está simplesmente respondendo a atuação degradante do ser humano nele. Em Adão pecamos, escolhemos a independência e isso acarretou sair do domínio de Deus e entrar no domínio do pecado. Nós criamos o mal, nós estamos destruindo o mundo, nós, justos e injustos, evangélicos e católicos, todos estão sofrendo as conseqüências disso. No caso das chuvas, uns sofreram mais, outros menos, e Deus não é culpado por isso e não é injusto. Nós fizemos uma escolha e estamos pagando por ela e desde que a fizemos, o sofrimento faz parte de nossa existência.

Como já afirmei acima, creio que Deus sofre junto e de todo essa mal, ainda faz surgir o bem, a camaradagem e a solidariedade. Assim como em Cristo Deus foi simpático com o mundo, foi solidário, Ele ainda o é hoje, através de nós, pequenos cristos. Ele tem manifestado seu carinho e cuidado. Essa calamidade despertou uma solidariedade há muito não vista no Estado. Todas as cores e todos os credos, unidos em prol da mesma causa: ajudar o próximo.

Leonardo Boff diz que a vida é mortal: “desde que começamos a viver; começamos também a morrer.” . Até quem tem promessa morre, e pode sim, morrer soterrado, submerso, como muitos irmãos morreram. Crente morre em tragédias, seja ele criança, jovem, adulto ou ancião. Enquanto estivermos por essas bandas, estamos sujeito como qualquer um, a sofrer as mais terríveis barbáries.

Deus é nosso parceiro nessa caminhada em que estamos. Sofre conosco a cada temporal, a cada inundação, e assim como está com aqueles que sofrem, está com aqueles que ajudam. Os bons samaritanos. Deus poderia muito bem abandonar sua criação e larga-la a sua própria sorte, mas não, Ele escolheu estar junto em cada momento, bom ou ruim.

2 comentários:

Mattas disse...

muito massa caara!!
Abençoado e post e o blog tb! hehe
abraçao einh

Anderson R. Miranda disse...

É meu irmão, Jesus esta voltando e o mundo continua parafraseando loucuras.

O pensamento humano (cético) é engraçado. Se algo de bom acontece em sua vida, é mérito próprio. Se algo ruim, a culpa é de Deus.

O planeta terra já poderia estar submerso a água há milhares de anos, não fosse a misericórdia de Deus na vida de um homem justo (Noé) e ainda, por amor do seu próprio nome. Quem criaria algo, e teria prazer em destruir? E porque seria tudo destruído naquela ocasião? Por que não houve quem se voltasse a Deus; Todos deram as costas; Tampouco deram ouvidos a um homem justo e obediente na expectação das coisas futuras. Mudou algo nos dias atuais?
Entre o dilúvio e o ano 2011, não existem muitas coisas incomuns. Homens que não dão a "mínima" para Deus, culpando-o das consequências de suas próprias atitudes, e justos, que amenizam a situação através das orações e ações de graças, pregando o arrependimento. O sinal dos tempos esta aí novamente. Os filhos de Deus anunciam o arrependimento.
E o mundo não entende que suas atitudes egoístas e centradas na vaidade provocam consequências. Adinal, no fim das contas, é fácil culpar Deus.
A pergunta "onde esta Deus?" deve ser feita para cada um que o questiona; "Onde esta Deus na sua vida?" Se o encontrar, terá motivos de sobra para não fazer esse questionamento novamente.
Mas se esses questionamentos entrarem na igreja, ai sim é inaceitável. Como você disse, alguns até associam as calamidades a algum fato específico. Triste.
"Não vos enganeis: as más conversações corrompem os bons costumes. Vigiai justamente e não pequeis; porque alguns ainda não têm o conhecimento de Deus; digo-o para vergonha vossa. 1 Corintios 15: 33-34.

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...